segunda-feira, 29 de novembro de 2010

Movimento de Lausanne, mover do Espírito

Na leitura que eu faço da história, o Movimento de Lausanne nasceu na década de 60. Tudo começou quando a Associação Billy Graham convocou o Congresso Mundial de Evangelização. Na dividida Berlim, de 25 de outubro a 1 de novembro de 1966, líderes do mundo inteiro se reuniram para, em unidade, decidir os rumos da tarefa evangelizadora da igreja no mundo. O tema desse congresso foi “Uma raça, um Evangelho, uma tarefa”.
Ao que me parece, a contribuição mais importante do Congresso Mundial de Evangelização foi a constatação da necessidade de realização de congressos continentais de evangelização. Na América Latina, essa necessidade foi suprida no CLADE I, convocado pela Associação Billy Graham e realizado em Bogotá, Colômbia, entre os dias 21 e 30 de novembro de 1969. O tema do Primeiro Congresso Latino-Americano de Evangelização foi “A ação em Cristo para um continente em crise”.
No CLADE I foi gestada a “Fraternidade de Teólogos Latino-Americanos”, que viria à luz um ano depois, em Cochabamba, 1970. Posteriormente, seu nome será mudado para “Fraternidade Teológica Latino-Americana”, como prevalece até os dias atuais. Na minha opinião, a FTL é a maior agência da Teologia Latino-Americana, especialmente através dos vários Boletins Teológicos publicados (29 só em língua portuguesa).
Aquele que é considerado o maior evento protestante do século passado aconteceu entre os dias 16 e 25 de julho de 1974: o Congresso Internacional de Evangelização Mundial, em Lausanne, Suíça. É daqui que vem o seu nome: Congresso de Lausanne. A contribuição mais importante de Lausanne, cujo tema foi “Deixe a terra ouvir sua voz”, foi o casamento entre evangelização e ação social. Essa contribuição se encontra no Pacto de Lausanne, documento que expressa a confissão de fé do movimento evangelical ao redor do mundo.
No Brasil o impacto de Lausanne só se fez sentir, efetivamente, através do Congresso Missionário, promovido pela Aliança Bíblica Universitária do Brasil (ABU-B), na cidade de Curitiba, em 1976. Sob o tema “Jesus Cristo: senhorio, propósito, missão”, centenas de pessoas, especialmente jovens, sentiram-se profundamente despertados para a obra missionária.
Em se tratando de América Latina, o CLADE II foi convocado pela FTL e realizado em Huampani, Peru, de 31 de outubro a 8 de novembro de 1979. O tema do Segundo Congresso Latino Americano de Evangelização foi “Que a América Latina escute a voz de Deus”.
Aquele que é considerado um dos maiores eventos protestantes do Brasil no século passado aconteceu entre os dias 31 de outubro e 5 de novembro de 1983: Congresso Brasileiro de Evangelização, em Belo Horizonte, Minas Gerais. Líderes de todo o país se reuniram para que “O Brasil e o mundo ouçam a voz de Deus”. Esse foi o tema do CBE 1, quando eu tinha apenas 1 ano de idade.
O Segundo Congresso Internacional de Evangelização Mundial, conhecido com Lausanne II, aconteceu em Manila, Filipinas, em 1989. A contribuição mais importante de Lausanne II, cujo tema foi “Proclamar a Cristo até que ele venha: convocar toda a igreja a levar todo o Evangelho a todo mundo”, foi manter o foco da igreja de Cristo na Grande Comissão de Jesus. Mas, lamentavelmente, o casamento entre evangelização e ação social, aparentemente, entrou em crise durante esse congresso.
Voltando à América Latina, o CLADE III aconteceu em Quito, Equador, de 24 de agosto a 4 de setembro de 1992. Em consonância com o Lausanne II, o tema do Terceiro Congresso Latino Americano de Evangelização foi “Todo o Evangelho para todos os povos a partir da América Latina”.
Na virada do milênio, o CLADE IV também aconteceu em Quito, Equador, de 2 a 9 de setembro de 2000. O tema do Quarto Congresso Latino Americano de Evangelização foi “O testemunho evangélico rumo ao terceiro milênio: Palavra, Espírito e missão”. A evangelização no século XXI foi a grande preocupação desse congresso.
Em 2003, finalmente, eu passei a fazer parte dessa história. Em meio a uma terrível crise pessoal, participei do Segundo Congresso Brasileiro de Evangelização, cujo tema foi “Proclamar o Reino de Deus, vivendo o Evangelho de Cristo”. À semelhança do primeiro, esse congresso aconteceu em Belo Horizonte, Minas Gerais, entre os dias 27 de outubro e 1 de novembro de 2003. Na ocasião, tive a oportunidade de fazer a oração que encerrou as atividades do primeiro dia, o que muito me alegrou o coração.
Em comemoração aos 30 anos do Congresso Missionário de 1976, a ABU-B realizou o Missão 2006. Diferentemente do primeiro congresso, esse aconteceu em Viçosa, Minas Gerais. Também diferentemente do primeiro, desse eu pude participar. Todos aqueles que participaram tiveram seus corações inundados por uma “Esperança viva em Jesus”. Lembro-me, como se fosse hoje, das meditações bíblicas em 1 Pedro.
Infelizmente, não pude participar do Lausanne III, que aconteceu na Cidade do Cabo, África do Sul, entre os dias 16 e 25 de outubro de 2010. O tema desse congresso foi “Deus em Cristo reconciliando consigo o mundo”, tendo com principal referência a epístola de Paulo aos Efésios. Qual seria sua contribuição mais importante? Penso que ainda é cedo para responder essa pergunta.
Quero encerrar anunciando que o CLADE V já está marcado. Ele acontecerá em San José, Costa Rica, na primeira quinzena de julho de 2012. O tema desse congresso será “Seguir a Jesus em seu Reino de vida: Guia-nos Espírito Santo”. Se Deus quiser, nesse eu quero estar presente.

Luiz Felipe Xavier.

P.S.: Esse texto foi elaborado para a abertura do “Mural Teológico” sobre Lausanne III, promovido pelo Núcleo da FTL-B, em Belo Horizonte.

domingo, 28 de novembro de 2010

Progredindo espiritualmente

Progredindo espiritualmente

1 Timóteo 4:1-16

28 de novembro de 2010

Luiz Felipe Xavier

Faça aqui o download da mensagem e esboço.

quarta-feira, 17 de novembro de 2010

Seguindo os passos de Jesus

Depois de muita oração, nossa viagem missionária a São Bento Abade teve início na madrugada do dia 13 de novembro de 2010, depois de um pequeno atraso na saída de Belo Horizonte. Muitos biscoitos, muitas sacolas de roupas e sapatos para o bazar, noite tranqüila na estrada e chegada ao nosso destino com tempo nublado, o que poderia não ser muito bom.
Uma vez acomodados, “redeanos” e “missionais” ou batistas e presbiterianos, tomaram café juntos e tiveram uma reunião inicial marcada pela unidade de propósito: fazer o bem às pessoas da cidade de São Bento Abade, em nome de Jesus. Abrindo um pequeno parêntese, os habitantes dali sentem uma profunda admiração por um homem que, em vingança à morte do seu irmão, matou os sete irmãos de uma família inimiga e fez um colar com uma orelha de cada um dos assassinados. Fechando o parêntese, a manhã do primeiro dia se encerrou com mutirão de arrumação do bazar e com muita chuva. Choveu até granizo.
À tarde, a escola municipal que estava vazia, começou a receber homens e mulheres, crianças e idosos, brancos e negros, gente de todo tipo em busca do que estava sendo oferecido. Atendimento médico (com pequena farmácia), atendimento odontológico, bazar, recreação para as crianças, corte de cabelo e orientação jurídica. Enquanto isso, uma equipe de oito pessoas anunciavam as Boas Novas de Jesus às pessoas do bairro Vale do Sol.
À noite, devido à chuva, poucas crianças e adultos compareceram ao cinema, que é algo raro na cidade. Após uma breve reunião de avaliação da liderança, o primeiro dia chegou ao fim.
O segundo dia começou com uma caminhada dos “amarelinhos” (assim ficamos conhecidos devido ao colete que usamos) pela cidade. Findada essa caminhada, o trabalho seguiu na escola, como no dia anterior. Enquanto isso, uma comissão foi até a igreja católica conversar com o padre e pedir o seu apoio à Ação Comunitária Cristã. Essa visita foi marcada por contribuição, comunhão e papo cordial. O objetivo foi alcançado: o padre anunciou e recomendou o nosso evento. Ainda antes do almoço, fomos, em um número de quatro pessoas, ao sepultamento de uma senhora da cidade. Quanta dor foi vista ali!
À tarde, mudando um pouco a estratégia, a equipe de evangelismo percorreu as ruas do bairro Vale das Oliveiras. Nessa caminhada, encontramos gente idosa, que não quis nada com Jesus, gente jovem, que está sofrendo longe dos caminhos de Jesus, e gente criança, que apesar de questionadora (Maria está viva? Maria apareceu no rio de Aparecida?), crê no Evangelho de Jesus. Enquanto tudo isso acontecia, muita gente era atendida na escola.
À noite, no refeitório da mesma escola, tivemos um culto. Apesar do tempo de cânticos ter sido excessivamente longo, a palavra foi muito boa. Leitura bíblica, testemunho pessoal de conversão e apelo. Cerca de doze pessoas se renderam aos pés de Jesus. O segundo dia chegou ao fim com uma grande confraternização dos “amarelinhos” e dos membros da Igreja Batista Vale do Sol numa pizzaria.
O terceiro e último dia começou com sinais de arrumação. Aproximava-se a hora de voltar para casa. Mas, antes, oferecemos um grande culto de gratidão ao nosso Deus. Esse culto teve início com de dança de rua (dos nativos) e teatro (dos “amarelinhos”). Logo em seguida, mais uma vez a Boa Nova foi proclamada e muitos creram. O que mais chamava à atenção era a alegria de centenas de crianças. Para elas, tudo foi uma grande festa.
À tarde, logo depois do almoço, todas as contas foram fechadas e viajamos de volta a Belo Horizonte. Trouxemos na bagagem muitas experiências marcantes, experiências pessoais, experiências que o tempo jamais poderá apagar. No fundo do coração, a convicção de que voltamos para casa um pouco mais parecidos com Jesus.

Luiz Felipe Xavier.

quarta-feira, 10 de novembro de 2010

John Piper

Tenho sido muito impactado pelas mensagens do John Piper.
Seu livro, Graça Futura, foi um dos melhores que já li.
Recomendo esse livro e este vídeo.

Luiz Felipe Xavier.

video

sexta-feira, 5 de novembro de 2010

Buscando o Reino de Deus e sua justiça

Gostaria de retomar a questão que ficou sem resposta no post anterior: o que Deus considera ter muito valor? No centro de um dos seus discursos mais conhecidos, o “Sermão do Monte” (que, diga-se de passagem, deveria mudar de nome), Jesus disse: “Busquem, pois, em primeiro lugar o Reino de Deus e a sua justiça, e todas essas coisas lhes serão acrescentadas.” (Mateus 6:33).
De acordo com Jesus, o que tem valor é o seu Reino de Deus e a sua justiça.
Mas, o que é o Reino de Deus?
Eu arriscaria dizer que o Reino de Deus é o governo de Deus sobre todo o seu povo e sobre toda a sua criação.
É governo que já começou, mas que ainda não se completou.
Ele só se consumará quando o mundo inteiro for reconciliado com Deus, por intermédio de Cristo.
Logo, aquele que busca o Reino de Deus busca tudo aquilo que transcenderá ao tempo e ao espaço e entrará na eternidade.
Aquele que busca o Reino de Deus, busca, em primeiro lugar, o discipulado.
Discipulado é o processo pelo qual Deus me torna mais parecido com Jesus.
Nesse processo, de altos e baixos, o Pai me transforma à imagem do Filho pelo poder do Espírito Santo que atua poderosamente em mim.
Toda essa transformação é obra da maravilhosa graça de Deus.
Também nesse processo, meus valores são mudados.
O dinheiro, o sexo, o poder, os bens, a fama, o sucesso, o conhecimento, os títulos, a estabilidade, a carreira, a segurança, etc. dão lugar ao amor.
O amor vertical em direção a Deus e o amor horizontal em direção ao próximo.
Aquele que busca o Reino de Deus, busca, em segundo lugar, a missão.
Missão de proclamar o Evangelho a todos aqueles que se encontram distantes de Deus.
Essa missão é aqui, ali e acolá...
É onde existir um ser humano sedento por ouvir a Boa Notícia de Deus.
Como Jesus, minhas palavras devem ser: “O tempo é chegado. O Reino de Deus está próximo (está acessível). Arrependam-se e creiam nas boas novas.” (Marcos 1:15).
É somente dessa forma que alguém que se encontra distante de Deus pode se aproximar dele e se relacionar com ele.
Aquele que busca o Reino de Deus, busca, em terceiro lugar, o cuidado da criação.
O cuidado da criação é aquilo que Deus espera do homem desde o início.
Esse cuidado implica em colocar a vocação a serviço da criação.
Implica em trabalhar duro para minimizar o sofrimento da criação.
Tal trabalho é necessário porque, devido ao pecado, toda a natureza criada aguarda a manifestação dos filhos de Deus (cf. Rm. 8:20-22).
E a justiça? O que devo buscar não é o Reino de Deus e sua justiça?
A justiça parece ser a evidência da presença do Reino de Deus.

Luiz Felipe Xavier.

P.S.: Primeiro no dia do professor... segundo no dia mundial do estudante... coincidência? Não... providência.